Referência em informação!

Notícias/Agro

Simpósio de Suinocultura Aurora Coop debate qualidade de leitões

O evento reuniu cerca de 80 técnicos das cooperativas filiadas e equipe interna de suinocultura da Aurora Coop.

Simpósio de Suinocultura Aurora Coop debate qualidade de leitões
MB Comunicação
IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Com o objetivo de inovar e garantir eficiência na cadeia produtiva de suínos, a Cooperativa Central Aurora Alimentos (Aurora Coop) promoveu neste mês o Seminário de Suinocultura. O evento reuniu cerca de 80 técnicos das cooperativas filiadas e equipe interna de suinocultura da Aurora Coop.

O diretor vice-presidente de agronegócios da Aurora Coop, Marcos Zordan, realçou que todo o protagonismo da cooperativa é mérito das pessoas que fazem parte do Sistema. “A suinocultura é um dos setores que mais evoluiu e temos orgulho pelo reconhecimento que conquistamos no País e no mundo. Isso é resultado do comprometimento de todas as equipes que não medem esforços para que os produtores implementem inovações e utilizem da melhor forma as tecnologias, as técnicas de sustentabilidade e as práticas de produção – alguns dos quesitos fundamentais para uma suinocultura de sucesso”.

Em sua explanação, o gerente de suinocultura Luiz Carlos Giongo falou sobre o cenário atual e os desafios da Aurora Coop. Destacou que o sistema de produção de suínos conta com 270 mil matrizes produtivas distribuídas nos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. “Este ano, nossa produção somará mais de 7,1 milhões de suínos e, desse total, 65% são destinados para o mercado interno e 35% para exportação”. Giongo reforçou que o Sistema Aurora Coop figura no contexto nacional com 14% da produção e é responsável por 25% do volume total exportado pelo Brasil. Sobre exportação, observou que a cooperativa atende os mercados mais exigentes do mundo, como Japão e Estados Unidos. “Agora, temos duas plantas aprovadas para exportar ao Canadá, uma de Chapecó e outra de Joaçaba, além do tradicional e volumoso mercado da China, Hong Kong e outras dezenas de países”. 

O gerente também reforçou que a produção brasileira figura entre as mais importantes no cenário mundial. Lembrou que o Brasil é o 4º maior produtor e 4º maior exportador de carne suína e usufrui de um status sanitário invejável. “Temos as melhores genéticas que o mundo dispõe, nutrição de excelência, os melhores protocolos de proteção das doenças, instalações avançadas, climatizadas com controle de ambiente, temperatura e gases, alimentação automatizada, água de qualidade garantida e analisadas em laboratório. Nossas granjas têm um padrão altíssimo de qualidade e essa produção equilibrada nos garante qualidade da carne, segurança alimentar e alimentos nutritivos e saborosos".

BIOSSEGURIDADE

A programação do evento também contou com a palestra “Biosseguridade aplicada à Aurora Coop” com o médico veterinário Luiz Felipe Caron. Durante sua explanação ele destacou o cenário atual no Brasil, propôs uma reflexão sobre qual é o modelo de sucesso e falou sobre os principais aspectos que envolvem a suinocultura.  

O Brasil figura entre os países que usufruem do melhor padrão de sanidade do rebanho suíno do mundo. É livre de várias doenças que causam enormes prejuízos mundo afora. Entre elas está a Peste Suína Africana (PSA) – patologia grave e de alto impacto, que está presente na Europa, na China e na América Central. Por não ter a presença dessa e de outras doenças, a produção brasileira é diferenciada. Outro assunto em destaque foi a questão do equilíbrio das doenças comuns existentes nos rebanhos.

Para finalizar, Caron enfatizou a qualidade técnica e o engajamento de todos na realização do Simpósio de Suinocultura. “O evento mostrou que essa visão de cadeia da suinocultura traz oportunidades de melhoria e, a cada dia, colhemos mais resultados com uma produção eficiente, minimizando os impactos de enfermidades que afetam o mundo todo. Nós, do Brasil, conseguimos continuar o trabalho com excelência, recuperando mercados que, às vezes forçam com os preços, mas ficou claro no evento que a Aurora Coop hoje é um expoente e está na frente inovando e trazendo uma vanguarda muito boa na implantação dessas ações que partem da vontade de todas as pessoas envolvidas”. 

QUALIDADE DOS LEITÕES

“Um olhar global sobre a produção de leitões de qualidade - Desempenho e Sanidade” foi outro tema abordado no encontro. Segundo a médica-veterinária Djane Dallanora, o tema é desafiador principalmente pela recorrência e é um assunto praticamente esgotado do ponto de vista de discutir fatores que interferem na qualidade do desmamado. “Na minha vivência, nunca se falou tanto sobre isso e nunca se produziu tantos dados a respeito dos leitões não-conformes”, destacou ao explicar temas como a definição de leitão economicamente viável e as causas de desclassificação de suínos.

O cuidado com as matrizes foi um dos assuntos em destaque. Isso porque quando elas estão em um rebanho adequado, são bem-manejadas, mantidas em instalações com bem-estar animal e com vacinações preventivas em dia, terão boa imunidade e transmitirão aos leitões através do colostro. Na ocasião do parto, fazer o manejo adequado, ensinar o leitão a mamar e garantir que se alimente logo com o colostro é fundamental para uma condição melhor de sanidade e qualidade do leitão, porque ele absorverá todas as defesas que estão nesse leite nas primeiras 12 horas de vida. Por fim, o manejo e acompanhamento adequados, orientações da primeira mamada, além de condições ideais de aquecimento, água e ração de qualidade são aspectos fundamentais para garantir o melhor desenvolvimento dos leitões.

Djane ressaltou que Santa Catarina é um estado sempre lembrado pela seriedade com que trata os assuntos ligados à saúde animal. “Mais uma vez, a história se repete e a Aurora Coop está na vanguarda das ações ligadas a este tema. Este projeto de biosseguridade e sanidade tem objetivos que visam produzir leitões com saúde cada vez mais robusta, aumentando a produtividade e o desempenho zootécnico ao longo de toda a cadeia produtiva”.

Segundo a palestrante, a proteção dos rebanhos com medidas de biosseguridade e a imunidade de rebanho gerada a partir de protocolos consistentes de vacinação, uso racional de antimicrobianos, cuidados com os leitões recém-nascidos e com as matrizes trarão ainda mais qualidade ao processo de produção de suínos e a todas as pessoas que fazem parte deste sistema cooperativo.

OUTROS ASSUNTOS EM EVIDÊNCIA

Também palestraram no evento o nutricionista de suínos Joel Girardello que falou sobre o “Arraçoamento da matriz suína”; a extensionista Rafaela Gauer Dumke que abordou o tema “Redução de Leitões - baixo peso”; o técnico Rodimar Arboit que falou sobre “Seleção dos leitões no carregamento” e o assessor de suinocultura Sérgio Carvalho que explanou o assunto “Sanidade dos rebanhos, perdas da cadeia produtiva e protocolos vacinais e de controle de doenças”.

A programação também contou com a formatura dos membros da equipe técnica que concluíram o curso P+1 – formação de profissionais para atuação na orientação técnica na suinocultura. Trata-se de uma formação teórica e prática com princípios metodológicos para orientação da suinocultura, gestão embasada em números, planejamento estratégico e planos de ação para busca de excelência em qualidade, produtividade e regularidade de entregas. Na ocasião, apresentou o caso de sucesso na implantação do trabalho pelo técnico da Cooper A1, Danrlei Toniolli.

AVALIAÇÃO

Para Luiz Carlos Giongo, o evento que levou conhecimento a todos os profissionais (técnicos agrícolas, veterinários e zootecnistas) responsáveis por orientar os produtores rurais no campo, foi um sucesso.  “Conseguimos trazer o que tem de mais novo, mais avançado e mais moderno para manter uma produção de qualidade, com excelência e mais equilíbrio, atendendo toda a cadeia: o empresário rural, a cooperativa filiada e a Aurora Coop. Tudo isso, sem dúvida, dedicado ao consumidor final”.

O supervisor de suinocultura da Aurora Coop, Marcelo Nogueira Rocha, salientou que o Seminário de Suinocultura Aurora Coop representou uma oportunidade para discutir temas relacionados à qualidade de leitões dentro do sistema. “Nosso ideal é manter todas as equipes técnicas preparadas e alinhadas para um trabalho de excelência com ganhos para toda a cadeia produtiva da suinocultura”.

Para ele, é essencial trabalhar na melhoria contínua do sistema. “A Aurora Coop tem uma suinocultura de ponta e para alcançar grandes resultados é importante investir em educação continuada. Um evento como esse representa uma oportunidade de promover grandes discussões e de explorar diferentes pontos de vista. A ideia é transmitir o conhecimento, para que seja aplicado no campo”.

FONTE/CRÉDITOS: MB Comunicação
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!